Solidariedade

Governo quer beneficiários de RSI a prestar trabalho social até 15 horas por semana

Mota Soares explicou que só são abrangidos pela medida cidadãos com capacidade activa para trabalhar
Foto
Mota Soares explicou que só são abrangidos pela medida cidadãos com capacidade activa para trabalhar Foto: Enric Vives-Rubio

O Governo aprovou esta quinta-feira um diploma que institui a prestação de trabalho social por parte das pessoas em idade activa que recebam subsídios do Estado, nomeadamente o Rendimento Social de Inserção (RSI).

A medida, anunciada pelo ministro da Solidariedade e Segurança Social, Pedro Mota Soares, após reunião do Conselho de Ministros, será limitada a 15 horas de trabalho semanal aos beneficiários do RSI, num total máximo de três dias úteis.

Mota Soares adiantou que apenas são abrangidos pela medida cidadãos com capacidade activa para trabalhar e “sem idosos ou crianças a seu cargo”.

A actividade socialmente útil, nota o Governo, “surge como forma de activação social e comunitária por parte dos beneficiários da prestação de RSI, através da colaboração com entidades que desenvolvem este tipo de actividades, prestando desta forma um importante contributo cívico a favor da comunidade onde se inserem”.

O executivo precisa ainda que aos beneficiários do RSI “fica garantido o desenvolvimento de outras formas de inserção na sociedade, como sejam a procura activa de emprego ou a elevação das suas competências através da frequência da escolaridade obrigatória ou de formação profissional”.

Quando, em Julho, Mota Soares falou sobre esta medida, o Governo estimava em cerca de 50 a 60 mil pessoas que estavam a receber RSI sem “uma inscrição activa no centro de emprego”. Na altura, o ministro da Solidariedade e Segurança Social defendeu ser necessário estabelecer protocolos com as câmaras municipais, juntas de freguesia e instituições sociais, “que sabem verdadeiramente o que é que é útil às comunidades”.