Morreu o livreiro Jorge Figueira de Sousa, da Livraria Esperança

Jorge Figueira de Sousa, livreiro e proprietário da Livraria Esperança, no Funchal, considerada a segunda maior do mundo e onde estão expostos cerca de cem mil livros, morreu aos 80 anos.

Jorge Figueira de Sousa estava há 67 anos ligado a um negócio de família, a livraria Esperança, fundada em 1886 e que era considerada a segunda maior do mundo, com 1.200 metros quadrados e 106 mil livros expostos.

Em comunicado, o secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, recordou que Jorge Figueira de Sousa “em tudo foi criativo” e “foi pioneiro em muitas áreas dos negócios que dirigiu e inventou ao longo da vida, desde a impressão de bilhetes de transportes públicos até à ideia de organizar visitas de escolas às livrarias”.

“Mais do que um labirinto de livros, um espaço de magia, a [livraria] Esperança é uma memória viva da edição e da bibliofilia portuguesa e, por si mesma, um lugar mítico para os leitores que nunca deixam de procurar os livros mais raros”, refere o secretário de Estado.

Foi por sua iniciativa que a Livraria Esperança, uma das mais conhecidas da Madeira, fundada em 1886 e situada na rua dos Ferreiros, passou também a Fundação, classificada como de utilidade pública e cujo principal objectivo é facultar livros a crianças da Região.

Jorge Figueira de Sousa venceu, em Fevereiro, o Prémio Especial de Livreiro, um dos Prémios de Edição LER/Booktailors.

Notícia actualizada e corrigida às 18h16