Crise do euro

Saída da Grécia provocaria colapso da zona euro, diz Nuriel Roubini

Foto
Foto: Aris Messinis/ AFP Photo (arquivo)

O economista norte-americano Nuriel Roubini alertou esta terça-feira para o colapso da zona euro se a Grécia sair da moeda única, sublinhando que este cenário “sairia mais caro” à Alemanha do que ajudar os parceiros europeus.

“Quem cortar a corrente aos gregos, provocará o desmoronamento total da zona euro”, disse o professor de Economia, que se tornou famoso por ter sido um dos que previu a quebra do mercado imobiliário norte-americano e a subsequente crise económica e financeira internacional, a partir de 2007.

Se a Grécia entrar em colapso “haverá uma corrida aos depósitos nos bancos em Portugal na Espanha e na Itália”, alertou o ex-conselheiro da administração norte-americana, traçando um cenário que muitos analistas consideram possível, se a aliança Coligação de Esquerda Radical grega, a Syriza, que pretende denunciar o memorando de entendimento com a troika, ganhar as legislativas do próximo domingo.

Perante os riscos de um contágio ainda maior a várias economias da moeda única, Roubini acha aconselhável manter a Grécia no euro, ou pela menos possibilitar-lhe uma saída gradual, ou seja, continuar a ajudar financeiramente Atenas, mesmo se o país voltar à sua antiga moeda, o dracma.

“Ambas as soluções são mais baratas para os contribuintes alemães do que deixar a zona euro afundar-se”, sublinhou Roubini.

Exportações alemãs em risco

Em entrevista conjunta com o professor de Economia da Universidade norte-americana de Harvard ao site Spiegel Online, Roubini explicou ainda o que pode acontecer à maior economia europeia se a zona euro implodir.

“O bem-estar alemão depende da união monetária, porque os exportadores alemães têm vantagens com o euro, a zona euro absorve 42% das exportações alemãs, e não interessa à Alemanha ter metade deste mercado em recessão”, vincou Roubini.

As exportações da Alemanha para Espanha, Grécia, Itália e Portugal caíram acentuadamente no primeiro trimestre de 2012, segundo dados publicados no princípio deste mês pelo Instituto Federal de Estatística (Destatis).

As vendas alemãs a Itália recuaram 7,6%, à Espanha 7,8%, a Portugal 14% e à Grécia 9,8%, no referido período, em comparação com igual trimestre de 2011, revelou o Destatis.