Espaço

Primeiro voo privado está em órbita em direcção à ISS

Momento da descolagem do foguetão
Foto
Momento da descolagem do foguetão Foto: Pierre DuCharme/Reuters

A cápsula não-tripulada Dragon, da empresa americana SpaceX, já está na órbita terrestre. O engenho entrou em órbita cerca de dez minutos após o lançamento a partir da Florida (EUA) com a ajuda do foguetão Falcon 9 naquele que é o primeiro voo de um vaivém privado em direcção à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), indicou o centro de controlo da SpaceX.

Após a sua chegada a órbita, a Dragon abriu as duas antenas solares para continuar viagem até à ISS, onde deverá chegar na sexta-feira de manhã. No site da NASA há um vídeo que mostra o momento da descolagem (veja aqui).

A SpaceX é uma empresa privada norte-americana que está a ser subcontratada pela NASA para construir cápsulas espaciais, incluindo uma Dragon tripulada que se espera que venha a ser lançada em 2015. A empresa foi criada pelo engenheiro e empresário sul-africano Elon Musk, mais conhecido por ser um dos co-fundadores da PayPal e ter feito fortuna na Internet.

O foguetão Falcon 9 foi lançado do Cabo Canaveral, perto do Centro Espacial Kennedy (Florida, sudeste), às 03h44 da madrugada (08h44 em Lisboa).

No sábado passado, o lançamento da cápsula Dragon foi adiado no último segundo devido a uma falha técnica.

Nesta terça-feira correu tudo como planeado e, dez minutos após a descolagem, a cápsula separou-se do foguetão a fim de entrar na órbita terrestre, uma acção que foi aplaudida pelos profissionais reunidos no Centro Espacial Kennedy.

A cápsula pesa seis toneladas e mede 5,9 metros de altura e 3,6 metros de diâmetro.

“O lançamento abre a porta a um voo de ensaio histórico”, indicava na segunda-feira à noite a empresa SpaceX em comunicado, a escassas horas do lançamento.

Caso consiga acoplar com sucesso à ISS, tratar-se-á da primeira cápsula de uma empresa privada a chegar com sucesso à Estação Espacial para aí fazer chegar carga importante, incluindo alimentos e material de laboratório. Até agora, apenas três países (Estados Unidos, Rússia e Japão) e a UE o tinham feito com sucesso.

No regresso à Terra - previsto para 31 de Maio – a cápsula trará consigo 660 quilos de experiências científicas e equipamentos. À vinda, a Dragon deverá amarar no Pacífico, ao largo da Califórnia.

De acordo com um contrato de 1600 milhões de dólares estabelecido com a NASA, a SpaceX - criada em 2002 - deverá efectuar 12 missões de entrega de carga à ISS, ao longo de quatro anos.

A NASA concluiu igualmente um contrato de 1900 milhões de dólares com a Orbital Sciences Corporation para encaminhar carga para a ISS e o primeiro voo de ensaio desta empresa privada deverá efectuar-se até ao final do ano.

Até agora os EUA dependiam dos Soyouz russos para encaminhar os seus astronautas para a ISS (que tinha um custo de 63 milhões de dólares por lugar, ou 49 milhões de euros), facto que deverá mudar muito em breve com o início das missões tripuladas subcontratadas.

Para o envio de carga, os norte-americanos estavam dependentes novamente dos engenhos russos Progress, europeus ATV e japoneses HTV.