Miguel Cadilhe diz ser preciso reduzir “drasticamente” número de pontes

Cadilhe diz que se acabou "um bocadinho à socapa" com o 1.º de Dezembro
Foto
Cadilhe diz que se acabou "um bocadinho à socapa" com o 1.º de Dezembro Paulo Pimenta

O antigo ministro das Finanças Miguel Cadilhe disse ser necessário que se proceda a uma redução significativa do número de pontes no calendário laboral português, mas alertou para o valor histórico de certos feriados.

"As pontes precisam de ser drasticamente reduzidas”, afirmou hoje o antigo governante, durante a apresentação do livro do deputado do CDS-PP José Ribeiro e Castro sobre o feriado do 1.º de Dezembro.

Ainda assim, Miguel Cadilhe disse sentir-se num dilema no que toca à discussão sobre os feriados, sendo que, por um lado, acredita na necessidade de os reduzir, mas por outro há que apreciar o “peso histórico” desses dias, como é o caso da Restauração da Independência.

“Em 2012, um bocadinho à socapa, acabou-se com o 1.º de Dezembro numa revisão do Código do Trabalho”, declarou Cadilhe, sublinhando que é um assunto que está para lá das questões laborais e sociais, entrando no domínio histórico.

O antigo ministro de Cavaco Silva disputou os números citados por Ribeiro e Castro no seu livro, que estima em 0,02% do Produto Interno Bruto valor de um feriado, dizendo que “um feriado vale bastante mais” do que isso, mas escusando-se a concretizar.

Cadilhe explicou que, apesar de muitas vezes não estarem de acordo, no caso do feriado do 1.º de Dezembro está ao lado de Ribeiro e Castro.

Por seu lado, o deputado do CDS-PP salientou que se vier a ser eliminado, “nesse mesmo dia nasceria o movimento da restauração”.