Promoções

Pingo Doce vendeu produtos abaixo do preço de custo, diz ASAE

A promoção gerou o caos nas várias lojas do grupo
Foto
A promoção gerou o caos nas várias lojas do grupo Foto: DR

A Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) concluiu que o Pingo Doce praticou dumping com a promoção realizada no feriado do 1º de Maio – dia em que vendeu todos os produtos com 50% de desconto.

De acordo com as conclusões da investigação, avançadas nesta quinta-feira pela rádio Antena 1, a Jerónimo Martins vendeu pelo menos três produtos abaixo do preço de custo: arroz, óleo e whisky.

O inspector-geral da ASAE, António Nunes, em declarações à agência Lusa

, não confirmou, nem desmentiu esta informação, dizendo que a investigação ficará concluída hoje ou no início da próxima semana. O caso vai deverá ser enviado a Autoridade da Concorrência, podendo o grupo alimentar arriscar-se ao pagamento de uma multa que pode chegar aos 30 mil euros. Para a lei da concorrência é indiferente o número de produtos que são vendidos abaixo do preço de custo, importando apenas averiguar se existiu ou não tal acto.

Na quarta-feira a Jerónimo Martins, dona das quase 400 lojas do Pingo Doce abertas em todo o país, garantiu que não tinha incorrido em dumping na campanha lançada no último feriado e que provocou o caos em vários supermercados.

A venda de produtos abaixo do preço de custo é proibida em Portugal. Segundo a Antena 1, os inspectores da ASAE estão a ultimar um processo contra a Jerónimo Martins, num auto que deverá seguir já amanhã para a Autoridade da Concorrência, a quem cabe a instrução do processo e a aplicação das multas. Mas o grupo garantiu ao Jornal de Negócios que não recebeu qualquer notificação das conclusões da ASAE.

A cadeia de retalho ofereceu um desconto de 50% no custo final de compras acima de 100 euros a todos os clientes durante o feriado do 1.º de Maio. Apenas combustível, têxteis e electrodomésticos e medicamentos não estavam incluídos.

A promoção do Pingo Doce não foi precedida de uma campanha de comunicação pública, mas acabou, mesmo assim, por gerar uma verdadeira corrida às lojas do grupo. Em dia de feriado gerou-se o pandemónio nos supermercados de maior dimensão, que foram varridos por multidões de compradores. Conflitos entre clientes a tentar passar à frente de outros nas filas para pagar obrigaram em Almada e na Quinta do Mocho, em Loures, mas também na Rua Carlos Mardel, em Lisboa, à intervenção da polícia.

Notícia actualizada sexta-feira, às 8h40
Sugerir correcção