Risco de abate de três milhões de galinhas e aumento de preços

Governo acompanha “de muito perto” processo dos produtores de ovos

Foto: Enric Vives-Rubio
Foto
Foto: Enric Vives-Rubio

A ministra da Agricultura, Assunção Cristas, garantiu hoje que o Governo está a “acompanhar de muito perto” o processo relacionado com as empresas produtoras de ovos, que se “arrasta há 12 anos”.

“O que posso dizer é que estamos a acompanhar de muito perto esse processo”, frisou a ministra da Agricultura, que falava aos jornalistas numa herdade em Aguiar, no concelho alentejano de Viana do Alentejo, onde foi questionada sobre a notícia avançada hoje pelo jornal i, de que “três milhões de galinhas vão ser abatidas até Julho”, pelo que o “preço dos ovos vai disparar em Portugal”.

Segundo o jornal, os produtores nacionais de ovos “não conseguem adaptar-se às imposições europeias”, definidas numa directiva comunitária “que obriga à existência de gaiolas melhoradas” para as galinhas, num “investimento estimado em 75 milhões de euros”.

“A directiva não é nova e está em vigor desde Janeiro deste ano, mas como muitos países estavam longe de conseguir cumpri-la”, o Parlamento Europeu definiu que “os 13 países em incumprimento teriam mais seis meses para fazer a transição”, pode ler-se no i.

Segundo a ministra Assunção Cristas, “infelizmente”, este é um processo “que se arrasta ao longo de 12 anos”, ou seja, o tempo que “houve para a reconversão” das empresas.

Embora garantindo o acompanhamento de “muito perto” do Governo, Assunção Cristas escusou-se a prestar hoje mais declarações sobre esta matéria: “Sobre os ovos falaremos noutra altura”.