Realizador de "Tabu"

Miguel Gomes lamenta vitória do digital no cinema

Miguel Gomes trabalhou em película nos seus últimos filmes
Foto
Miguel Gomes trabalhou em película nos seus últimos filmes AFP

Miguel Gomes, que rodou em película o seu último filme “Tabu”, que lhe valeu dois prémios na última edição do festival de Berlim, incluindo o da crítica, confessa-se "triste" com esta decisão do ICA de vender e dissolver a Tobis, o último laboratório que em Portugal trabalhava com película cinematográfica analógica.

A palavra é escolhida com cuidado, já que é de afectos que fala quando se refere à sua relação com o cinema que é feito assim. “Portugal não é o único a abandonar a película – todos os países o estão a fazer”, diz, dando o exemplo da Alemanha, que há cerca de mês e meio decidiu o encerramento de dois dos seus três laboratórios, o de Hamburgo e o de Munique.

O cineasta reconhece que "o digital é inevitável", mas gosta do "grão" da película e lamenta o seu fim anunciado, que "se deve a razões puramente económicas e não técnicas ou artísticas".

Para Miguel Gomes, a proximidade a esta tecnologia tem uma explicação pessoal - “a sensação de ver um filme em película está para mim intimamente ligada à simples ideia de ver um filme” – e outra técnica: “O digital em termos de qualidade ainda não tem nada a ver com a película, em que sentimos o grão, a matéria. Costumo comparar o que procuro numa imagem ao que procuro numa cerveja: preciso de grão, como preciso de gás. E o digital, que está a agora a ser trabalhado para ficar mais próximo do efeito da película, é ainda muito clínico, quase oftalmológico. Podemos ver nele todos os poros da pele da cara de uma actriz, mas não tem grão, não tem matéria.” Com a nova câmara que chegou ao mercado, apesar de tudo, o digital tornou-se melhor.

“Quando decidi fazer 'Tabu' em película, sabia que seria, provavelmente, a minha última oportunidade de o fazer”, continuou o realizador.

O filme anterior de Miguel Gomes, “Aquele Querido Mês de Agosto”, foi feito em película nos laboratórios da Tobis.

Sugerir correcção