Entrevista a Assunção Cristas

Governo quer tomar posse de terras sem dono para as distribuir

Propriedades sem dono serão integradas no banco de terras
Foto
Propriedades sem dono serão integradas no banco de terras Paulo Ricca

O Governo quer identificar todas as terras em Portugal às quais ninguém se apresenta como dono, reclamá-las para o Estado e distribuí-las para quem as queira cultivar.

“O objectivo é identificar o que não tem dono, e o que não tem dono pertence ao Estado”, afirma a ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, Assunção Cristas, numa entrevista ao PÚBLICO. “Só que o Estado também não sabe que terras são essas”, completa Cristas.

A identificação destas terras será feita no âmbito da realização do cadastro das propriedades rurais, que o Governo quer realizar em quatro a cinco anos, com recurso aos dados que a administração central já tem na sua posse - como informações sobre impostos, subsídios agrícolas e registos públicos.

Para as parcelas cujos proprietários não são imediatamente identificados, o Governo vai dar um prazo para que reivindiquem a sua posse. “A ideia é que, à medida que se vá fazendo o cadastro, e confirmada que não há nenhuma interação com o Estado, dar um prazo para que venham sinalizar a propriedade. Se não vierem, é declarado o seu abandono e é integrada na bolsa de terras”, diz Assunção Cristas.

O Governo está a ultimar legislação sobre a bolsa de terras, através da qual será disponibilizada informação sobre propriedades públicas ou privadas disponíveis para serem cultivadas.

Leia a entrevista completa na edição impressa deste domingo ou na versão online para assinantes.