Divulgado primeiro genoma de alta qualidade de uma espécie extinta de seres humanos

ADN dos denisovanos sequenciado integralmente e colocado online

Gruta siberiana onde foi encontrado o dedo fossilizado
Foto
Gruta siberiana onde foi encontrado o dedo fossilizado DR

A partir de uma ínfima parcela da falange de um dedo fossilizado, descoberta em 2008 na gruta Denisova, na Sibéria, foi agora possível obter o primeiro genoma de alta qualidade de uma espécie extinta de seres humanos.

Os autores deste feito técnico, liderados por Svante Pääbo, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva de Leipzig, na Alemanha, colocaram hoje online, à disposição de toda a comunidade científica, a sequência genética de um representante destes hominídeos que, juntamente com os neandertais, são os nossos mais próximos parentes extintos.

O reconhecimento oficial de que os denisovanos constituem uma espécie antes desconhecida veio em 2010, quando a equipa de Pääbo publicou na revista "Nature" o primeiro “rascunho” do ADN dos denisovanos.

Mas agora, estes investigadores foram muito mais longe, graças a novas técnicas ainda mais potentes de sequenciação genética desenvolvidas no seu próprio laboratório. E produziram uma sequência que, segundo explica Matthias Meyer (que foi precisamente quem desenvolveu as técnicas inovadoras de leitura do genoma), “tem menos erros do que do que a maior parte dos genomas de seres humanos actuais sequenciados até à data.”

O ADN denisovano foi extraído de uma quantidade mínima de osso - inferior a 10 miligramas. E, enquanto cada posição desse genoma tinha sido lida apenas duas vezes para obter o rascunho de 2010, o que deixava uma grande margem para erros na determinação das “letras” que compõem o ADN, agora foi possível fazê-lo repetindo a operação até 30 vezes. Isto permite, explica um comunicado daquele instituto alemão, distinguir mesmo as pequenas diferenças que possam existir entre as cópias de cada gene que a dona do dedo fóssil - uma menina que tinha entre cinco e sete anos de idade na altura da sua morte, há 30 a 50 mil anos - tinha herdado do seu pai e da sua mãe.

Os investigadores, que tencionam publicar os seus resultados numa revista científica ainda este ano, não quiseram esperar tanto tempo para os divulgar. “Quisemos tornar os dados acessíveis imediatamente de forma gratuita”, diz Pääbo. “Achamos que poderão ser muito úteis para muitos cientistas.”

Pääbo e colegas também tinham anunciado, em 2010, que nós, os humanos modernos, temos nos nossos genes bocadinhos de ADN vindo dos não só dos neandertais, mas também dos denisovanos, respondendo assim à essencial questão de saber se o Homo sapiens se tinha ou não reproduzido com estas duas espécies.