2011 foi o nono ano mais quente desde que existem registos

NASA prevê maior aquecimento da Terra nos próximos anos

Os últimos Invernos têm sido especialmente frios nos Estados Unidos
Foto
Os últimos Invernos têm sido especialmente frios nos Estados Unidos Todd Korol/Reuters

O aquecimento global abrandou recentemente, e isto tem alimentado as visões cépticas quanto às alterações climáticas. Mas um relatório da NASA diz agora que isso é apenas temporário e que as temperaturas vão subir mais nos próximos anos.

O ano passado acabou por ser o nono mais quente desde 1880, o início aproximado dos registos sistemáticos de temperaturas. Em 2011, as temperaturas médias à superfície foram 0,51ºC mais altas do que os valores médios do período base 1951-1980. Além disso, nove dos dez anos mais quentes ocorreram no século XXI, com excepção de 1998, segundo um relatório do Instituto Goddard para Estudos Espaciais, da agência espacial norte-americana (NASA), divulgado esta semana.

Já em Novembro, e com os dados disponíveis na altura, a Organização Meteorológica Mundial tinha revelado que, em 2011, os termómetros estiveram 0,41ºC acima da média de 1961-1990.

Mas ainda que o planeta esteja a ficar mais quente, o aumento das temperaturas abrandou nos últimos três anos. A NASA explica este fenómeno com a influência do "La Niña" - um arrefecimento periódico das águas do Oceano Pacífico que afecta as temperaturas globais - e com o ciclo de radiação do Sol. Na verdade, nos últimos anos tem chegado menos energia do Sol à superfície terrestre, resultando num efeito de arrefecimento.

Acontece que as variáveis estão prestes a mudar, segundo a NASA. “Apesar de os gráficos actuais sugerirem um abrandamento do aquecimento global, este aparente abrandamento poderá desaparecer dentro de alguns anos”, escreve a NASA no relatório. “Em especial precisamos ver de que forma as temperaturas aumentarão em resposta ao próximo fenómeno 'El Niño' [o oposto do 'La Niña'] e ao novo ciclo de radiação solar, que muda a cada dez ou doze anos”, acrescenta o relatório.

Segundo os cálculos da agência norte-americana, “há muitas probabilidades de entrarmos num fenómeno 'El Niño' na segunda metade de 2012, ou o mais tardar dentro de dois ou três anos”. Quanto ao Sol, a sua influência “vai mudar rapidamente para um efeito de aquecimento nos próximos três a cinco anos”.