Défice público não vai exceder 4,5% do PIB este ano

Foto
Foto: Gonçalo Português (arquivo)

Esta informação foi avançada por Passos Coelho ao Correio da Manhã (que dá hoje a notícia do valor do défice), explicando também que mesmo assim decidiu cortar os subsídios de Natal deste anos dos trabalhadores e reformados porque se não o fizesse a troika não teria autorizado a utilização do fundo de pensões da banca para corrigir o défice.

Sem receitas extraordinárias, a execução orçamental apontava para um défice da ordem dos 8% do PIB. No entanto, o valor do fundo de pensões da banca – que foi transferido para o Estado – representa cerca de 4%, o que permite chegar ao fim do ano com um valor substancialmente inferior ao objectivo estipulado.

Mas esta receita representa despesas futuras para o Estado, que com este negócios vai assumir o pagamento das reformas aos trabalhadores da banca, e é irrepetível. Por isso, o objectivo assumido com a troika para 2012, justamente os 4,5% que se vão registar este ano, mas sem receitas extraordinárias, vão representar um grande esforço de ajustamento orçamental, na ordem dos seis mil milhões de euros.

Sugerir correcção
Comentar