FC Porto

Pinto da Costa não ficou surpreendido com os incidentes na Luz

O presidente do FC Porto discorda do processo eleitoral na FPF
Foto
O presidente do FC Porto discorda do processo eleitoral na FPF Foto: Luis Efigénio/nFactos

O presidente do FC Porto considera que “nem os animais gostam de estar enjaulados”, por isso afirma que “é natural que houvesse uma reacção ali”.

O líder dos “azuis e brancos” começou por afirmar que não tinha “nada a dizer sobre” o derby lisboeta, porque “é uma questão entre dois clubes” que não lhe “dizem respeito” e adiantou que nem tem “prestado grande atenção a esses acontecimentos”. No entanto, acabou por dar a sua opinião sobre o que se passou no Estádio da Luz: “Não fiquei surpreendido. Se nem os animais gostam de estar enjaulados e até reagem, também é natural que houvesse uma reacção ali.”

O presidente do FC Porto comentou também a queixa de um jornalista da TVI que disse ter sido agredido no Estádio do Dragão no final do FC Porto-Sp. Braga. “Se tivesse havido algum problema na bancada da comunicação social, de certeza que os jornalistas não estavam todos a dormir. E ninguém viu ou falou sobre isso. Apenas um senhor veio dizer que foi insultado e agredido, mas nem sequer sabe por quem”, defendeu-se.

Pinto da Costa, que falou aos jornalistas durante a festa do 25.º aniversário dos Super Dragões, afirmou depois que a claque portista não teve nenhuma influência na decisão sobre a continuidade ou não de Vítor Pereira: “Aqui, os treinadores não são mantidos pelas claques, mas antes pela sua capacidade de trabalho e pelo seu mérito.”

Sobre o decisivo jogo na Liga dos Campeões da próxima terça-feira, frente ao Zenit, disse “não estar certo” que o FC Porto vai “conseguir um bom resultado”, “porque ninguém pode ter a certeza de nada num jogo de futebol”, mas mostrou-se “muito esperançado” numa “vitória” dos campeões nacionais.

A finalizar, o dirigente voltou a afirmar que o FC Porto não vai interferir nas eleições para a Federação Portuguesa de Futebol. “Não dou apoio a ninguém. O FC Porto não é votante, está excluído da Assembleia que vai escolher os órgãos para a FPF, por vontade da própria Liga. Por isso, passa-me perfeitamente ao lado, não tenho qualquer opinião, nem darei apoio a quem quer que seja. Desta vez, não podem vir dizer que é o FC Porto que interfere, manda ou influencia. Não temos nada a ver com este processo eleitoral, porque discordamos de toda a forma como ele foi feito”, criticou.