Crescimento limitado na Europa

Recessão portuguesa só foi superada pela grega no terceiro trimestre

Agravou-se a divergência da economia nacional face à zona euro e à UE
Foto
Agravou-se a divergência da economia nacional face à zona euro e à UE Foto: Stefan Wermuth/Reuters/arquivo

A queda homóloga de 1,7% do PIB português no terceiro trimestre só foi superada pela Grécia, com um recuo de 5,2%, segundo dados divulgados hoje pelo Eurostat.

O Eurostat não apresenta dados para oito países, mas nenhum deles estava em recessão no segundo trimestre. No caso da Grécia, apesar de não serem apresentados da variação face ao trimestre anterior, são avançados dados de variação homóloga (face ao mesmo período do ano anterior), mas sem serem corrigidos dos efeitos de sazonalidade, ao contrário do que é a prática habitual.

Agravou-se ainda a divergência da economia nacional face à zona euro e à UE, ambas a apresentaram crescimentos homólogos de 1,4% no trimestre terminado em Setembro, um recuo ligeiro face ao segundo trimestre. No caso português, o recuo homólogo foi de -1,0 para -1,7%.

Em termos de variação face ao trimestre anterior, o crescimento do PIB da zona euro e da UE manteve no período em análise o ritmo 0,2% registado no segundo trimestre, enquanto em Portugal houve um recuo de 0,4%, conforme o INE divulgou ontem. O crescimento europeu mantinha-se assim a um nível muito fraco, mas sem ter entrado em maior desaceleração.

As economias francesas e alemã, motores da zona euro, acabaram por ter um terceiro trimestre relativamente favorável, com crescimentos de respectivamente 0,4% e 0,5% face aos três meses precedentes. A situação alemã acabou no entanto por revelar-se melhor do que o esperado, com uma revisão em alta, para 0,3%, do crescimento no segundo trimestre (face a 0,1% antes estimados). Em termos homólogos, o PIB alemão cresce 2,6%, face a 1,6% do francês.

Estes dois países têm mesmo assim os melhores desempenhos entre as maiores economias da UE. No Reino Unido, houve um crescimento trimestral de 0,5%, mas a variação homóloga está também em 0,5%. Ainda não são conhecidos valores para Itália e em Espanha houve uma estagnação do PIB (variação de 0,0%) no trimestre, que fez a variação homóloga manter-se em 0,8%. Espanha é o maior destino das exportações portuguesas, seguida de França e Alemanha.

Além da Grécia e de Portugal, não há outros países europeus em recessão, se atendermos à definição técnica de dois trimestres consecutivos de queda do PIB. Mas entre Julho e Setembro os Países Baixos e a Chipre já tiveram recuos de respectivamente 0,3% e 0,7%.

Notícia actualizada às 11h03