A pensão vai funcionar como uma espécie de... pensão Rita Chantre
Foto
A pensão vai funcionar como uma espécie de... pensão Rita Chantre

A Pensão Amor vai revolucionar o Cais do Sodré

Nesta pensão não se dorme. É antes uma casa destinada à revolução: há quartos dedicados às artes, livraria erótica, palco e, entre outros chamarizes, um bar com especialidades peruanas

Ainda há um bidé e um lavatório num pequeno quadrado com chão de ladrilhos ao canto do quarto. Ainda há restos de camas e de armários naqueles que foram, até há pouco tempo, quartos de pensão num velho edifício do Cais do Sodré, em Lisboa. Mas os novos inquilinos já se começaram a mudar — e alguns estão mesmo a aproveitar as velhas mobílias.

O edifício onde cresce a Pensão Amor, com entradas pela Rua Nova do Carvalho e pela Rua do Alecrim, foi comprado pelo grupo de investimentos imobiliários MainSide (proprietário da LX Factory), e vai funcionar como uma espécie de... pensão, com espaços que podem ser alugados à hora, ao dia, ao mês.

Só que em vez da antiga clientela de marinheiros e prostitutas vindos dos bares ali mesmo ao lado, com nomes de portos distantes — Roterdão, Oslo, Jamaica — agora os ocupantes dos quartos são artistas, ou simplesmente pessoas com projectos que precisavam de um espaço.

PÚBLICO -
Foto
A antiga clientela de marinheiros e prostitutas dá lugar a artistas Rita Chantre

Como Fátima Garcia, que está já instalada. No meio de quartos ainda por ocupar, outros apenas com caixotes ou restos de móveis, o pequeno espaço de Fátima — um atelier/loja de origami — é um oásis de arrumação num edifício ainda em estado caótico uma semana antes da inauguração.

PÚBLICO -
Foto
Há uma livraria erótica, um palco e um bar com especialidades peruanas Rita Chantre

Cevicheria e bar

José Carlos Queirós, administrador da MainSide, leva-nos numa visita guiada. Encontramo-nos no bar com porta virada para a Rua do Alecrim. Paredes vermelhas, candeeiros de abajur com berloques, imagens antigas de senhoras seminuas em poses timidamente eróticas, cadeirões forrados, ambiente de casa de madame do final do século XIX. Vai funcionar como bar e como cevicheria (onde se poderá comer ceviche e outras especialidades peruanas).

Seguimos por uma sala com um bar forrado a espelhos (aproveitados dos armários dos quartos da pensão), onde, aponta José Carlos Queirós, há um pequeno palco (era uma sala de uma associação ligada aos transportes marítimos), o que vai permitir que funcione como espaço polivalente para exposições, palestras, lançamentos de livros.

A opção foi, explica o proprietário, "ir beber na história do edifício e recriar um ambiente inspirado nas antigas pensões". Não houve grandes obras. Os tectos ainda têm as velhas traves de madeira corrida e pintadas, e nas paredes começam a reaparecer os azulejos.

Lê o artigo completo no PÚBLICO