A geração à rasca está a conseguir desenrascar-se

É a geração mais qualificada de sempre, mas não tem emprego certo. Faz do "freelancer" um estilo de vida. Que desafios enfrenta?

Foto
Nelson Garrido

Chamam-lhe geração à rasca. É a mais qualificada de sempre, a mais viajada, a mais internacional. Mas não sabe o que é um emprego para a vida e já não pensa em carreira – fala de projectos. Num cenário de crise, há novos significados para palavras como flexibilidade e mobilidade. E muitos dão o grito da independência – são "freelancers" para o que der e vier.

A tarefa hercúlea – de fazer um retrato desta geração – não tem uma resposta só. Vítor Ferreira, cientista social, fala de uma realidade ramificada entre uma geração cheia de oportunidades e estrangulada num contexto de crise. E admite que não há uma versão mais ou menos próxima da verdade: "É nessa dicotomia que se vive".

Foto
O freelancer já é considerado a Revolução Industrial dos nossos tempos Nelson Garrido

Ser jovem não é (só) uma questão de idade. A juventude é mais do que isso: é uma "condição social" – tem a ver com uma "série de marcadores de passagem" e alargou-se no tempo. É-se jovem mais cedo e até mais tarde.

Novos contextos sociais

É uma realidade que se vem instalando desde o 25 de Abril, data que assinala o início de um contexto de socialização completamente diferente, e que evoluiu por força de outros eventos posteriores: "A entrada na União Europeia e a chegada das tecnologias da informação" perspectivaram novas visões do mundo e uma geração diferente até da de 80, explica Vítor Ferreira.

O crescimento de vagas no ensino superior abriu caminhos nunca antes explorados, mas arrastou um mercado de trabalho indisponível para receber tanta mão-de-obra qualificada. As universidades tornaram-se demasiado evoluídas para um tecido empresarial pouco desenvolvido. E, nesse contexto, “foi-se percebendo que a licenciatura não era, por si só, uma garantia de emprego”, analisa Carlos Gonçalves, investigador na Universidade do Porto.

Foto
Licenciatura deixou de ser, por si só, uma garantia de emprego Mariana Correia Pinto

Estudar ainda compensa – “O título académico protege mais do que outros títulos”, lembra Carlos Gonçalves –, mas os estudantes estão preocupados com os problemas do ensino superior. E a ausência de estabilidade leva muitas vezes a três sentimentos sequenciais: “Insatisfação, desmotivação, revolta”.

O que é uma geração? O investigador Vítor Ferreira responde

Uma vida, vários trabalhos

Num contexto de flexibilidade, as sociabilidades tornaram-se dispersas – "Não é por acaso que as redes sociais têm tanto espaço", lembra Vítor Ferreira – à boleia de alterações estruturais do mercado de trabalho. Foram-se os empregos para a vida, perdeu-se a noção de carreira, ficaram os "projectos" como estrutura de emprego e os recibos verdes como forma de pagamento: é o trabalho como "freelancer" – chamado de a nova Revolução Industrial -, que já representa um quarto da força de trabalho da economia portuguesa.

Jovens aceitam cada vez pior situações de precariedade, analisa o investigador Carlos Gonçalves

Estudar e trabalhar no estrangeiro é sempre uma hipótese em aberto e um em cada dez licenciados decide mesmo abandonar o país. Mas quem fica garante que não se sente pior por isso. E há até quem tenha emigrado e decida regressar - apesar da troika. 

Esta é a "geração mundo" – utiliza "low cost" e fica alojada em casa de amigos, mas não prescinde da viagem. É a geração que faz voluntariado - por solidariedade, mas também por um melhor currículo, porque as empresas valorizam as "competências" que advêm dessa experiência. É a geração "download", da rapidez, diversidade e partilha na forma como consome cultura.

É preciso gerir expectativas legitimamente criadas no passado, diz Vítor Ferreira

O investigador Machado Pais, numa crónica enviada ao P3, resume o repto lançado a esta geração: "Os jovens de hoje confrontam-se com o desafio de se adaptarem a circunstâncias de vida mutáveis".