Bolsa

TIMWE faz estreia de empresa portuguesa no Nasdaq

Diogo Salvi quer expandir a empresa
Foto
Diogo Salvi quer expandir a empresa João Matos/arquivo

A empresa tecnológica de telecomunicações móveis liderada por Diogo Salvi pode angariar até 125,8 milhões de euros com a operação em curso.

A TIMWE quer vender entre 19,6 e 22,5 por cento do seu capital no Nasdaq, tendo entregue o pedido oficial de venda de acções junto do regulador norte-americano, a Securities & Exchange Commission (SEC), na noite de quinta-feira.

O pedido terá agora de ser aprovado e, se tudo correr conforme o previsto, a TIMWE dará dentro de um mês um passo pioneiro. Com esta operação, a TIMWE torna-se-á a primeira empresa portuguesa a estar cotada no Nasdaq.

De acordo com o prospecto disponível na SEC, a empresa liderada por Diogo Salvi (que foi co-fundador) pretende alienar entre 11.250.000 a 12.937.500 acções a um valor de 12 a 14 dólares. Dentro desta perspectiva, o encaixe mínimo será de 135 milhões de dólares (93,8 milhões de euros) e o máximo de 181 milhões de dólares (cerca de 125,8 milhões de euros). Os accionistas, onde se incluem Diogo Salvi e outros quadros portugueses da empresa, ficam ainda com cerca de 80 por cento do capital da TIMWE.

No âmbito desta Oferta Pública Inicial (OPI), a empresa fica avaliada num montante que vai dos 690 a 805 milhões de dólares. Com esta operação, a TIMWE ganha visibilidade ao entrar na bolsa tecnológica norte-americana. mas, principalmente, garante uma importante fonte de financiamento para si e para os seus accionistas.

Criada em 2002 (na altura tinha ainda capital holandês), a empresa já tinha procurado um investidor internacional que comprasse parte do capital, de modo a permitir a liquidez necessária para crescer de forma mais dinâmica, através de aquisições.

Até agora, a empresa tem crescido de forma rápida, mas organicamente. Inicialmente, começou por facturar cerca de cem mil euros com o fornecimento de conteúdos, sem marca, para operadores de telemóveis, e empregava apenas quatro pessoas. Entre 2004 e 2008 as receitas subiram 5108 por cento, com o reposicionamento do negócio (apostou nas aplicações de marketing e nos pagamentos via telemóvel, por exemplo ) e a abertura de vários escritórios a nível mundial.

Actualmente, a empresa emprega cerca de 300 pessoas e opera em 75 mercados a nível mundial, com escritórios em 25 países. O maior destaque vai para o Brasil, onde ganha grande parte das suas receitas, que em 2010 chegaram aos 234 milhões de euros. Neste país, foi responsável pela maior campanha de SMS, ligada ao Campeonato do Mundo de Futebol na África do Sul, tendo trabalhado com a Vivo e a Oi.

Notícia corrigida às 21h56