Medidas de austeridade

Corte da Moody's já teve em conta medidas anunciadas por Passos Coelho

Passos Coelho disse hoje que o corte do rating foi um “murro no estômago”
Foto
Passos Coelho disse hoje que o corte do rating foi um “murro no estômago” Daniel Rocha/arquivo

As medidas de austeridade anunciadas por Passos Coelho no debate do programa de Governo já foram “tomadas em conta” na análise que a Moody’s fez e que resultou na queda do rating português, disse o vice-presidente da agência.

“O consenso político e as medidas recentemente anunciadas pelo Governo foram tomadas em conta”, disse Anthony Thomas, analista sénior de risco soberano da agência de notação Moody’s.

Segundo o também vice-presidente da agência de rating, estes dois factores não foram suficientes para evitar os “riscos de deterioração”, pelo que a Moody’s considera que “o rating de Portugal está mais apropriado em Ba2”. E que também “reflectiu” na revisão do rating o défice público de 7,7 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), registado no primeiro trimestre do ano segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

A agência de notação Moody’s anunciou na terça-feira que cortou em quatro níveis o rating de Portugal, colocando a dívida do país na categoria de ‘lixo’ (junk).

Em reacção a esta decisão, os responsáveis do Ministério das Finanças consideraram ontem ao final do dia, em comunicado, que esta “ignorou” a sobretaxa extraordinária em sede de IRS e “não terá tido em devida conta” o “amplo consenso político que suporta a execução das medidas acordadas com a troika”, ou seja, Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI).

No comunicado em que anunciou o corte na notação, a Moody’s avança com três argumentos principais.

Por um lado, argumenta que existe o risco crescente de Portugal precisar de um segundo pacote de empréstimos internacionais antes de conseguir regressar aos mercados no segundo semestre de 2013.Depois, existe uma “possibilidade crescente de a participação dos investidores privados ser imposta como pré-condição” para esse segundo resgate, à semelhança do que está a ser estudado no âmbito de um segundo pacote de ajuda à Grécia.

Em terceiro lugar, agravam-se os receios de que Portugal não seja capaz de cumprir a totalidade das metas de redução do défice e da dívida acordadas com a União Europeia e com o Fundo Monetário Internacional, no âmbito do empréstimo de 78 mil milhões de euros.

Além de cortar o rating da dívida de longo prazo de Portugal em quatro níveis, a agência de notação colocou-o ainda em ‘outlook’ negativo, podendo a notação da República voltar a cair em breve.

A Moody’s anunciou que essa decisão pode ser desencadeada por “derrapagem significativa na execução do programa de consolidação orçamental do Governo, uma nova revisão em baixa das perspectivas de crescimento do país económico ou um aumento do risco de participação do sector privado num novo pacote de ajuda” externa.

Questionada pela Lusa sobre se esta queda no rating poderia ter como efeito reduzir o valor da privatização das participações estatais em empresas portuguesas, a Moody’s rejeitou qualquer comentário: “Não é uma questão que a Moody’s possa comentar”, afirmou a agência.