Valor pode aproximar-se de 60 mil milhões

Grécia espera um novo pacote da ajuda no próximo mês

Yiorgos Karahalis/ Reuters (arquivo)
Foto
Yiorgos Karahalis/ Reuters (arquivo)

A Grécia deverá receber um novo pacote de ajuda financeira, cujo valor não estará ainda decidido, mas que segundo fonte do Governo grego poderá aproximar-se de 60 mil milhões de euros e chegar em Junho.

Este novo pacote de ajuda cobriria as projectadas necessidades de financiamento da gregas projectadas em novos fundos no montante de 27 mil milhões de euros em 2012 e 32 mil milhões em 2013, segundo a mesma fonte, que deu a informação à agência Dow Jones, a qual está a ser citada pela Reuters e The Wall Street Journal.

Uma das particularidades deste novo pacote de ajuda, que ainda não se sabe se também envolve a UE e o FMI em conjunto, e com que contributos, será a de que o Governo grego terá de dar como colateral (garantia de reembolso) propriedade imobiliária estatal.

Um alto-funcionário do Ministério das Finanças da Grécia disse entretanto à Reuters, sob anonimato, que “a Grécia não tem em curso nenhuma discussão sobre algum novo pacote de ajuda” e que “os relatos sobre discussões de nova ajuda não são verdade”. A fonte da Dow Jones não dizia que a Grécia estava a “discutir” nova ajuda, mas apenas que Atenas “espera” receber um novo pacote “já no próximo mês”, no montante acima referido.

No entanto, uma “fonte sénior” da zona euro disse também que “quaisquer números a circular sobre a dimensão da ajuda extra à Grécia estão errados”, pois de momento “não há nenhuma negociação formal entre a Grécia e as autoridades europeias” sobre qualquer pacote.

“Os ministros vão olhar pela primeira vez para a situação na próxima segunda-feira, quando tiverem as conclusões da missão da UE e do FMI que está agora em Atenas”, acrescentou, referindo-se à reunião do Eurogrupo (que reúne os ministros das Finanças da zona euro) marcada para segunda-feira, e onde deverá ser também dado o acordo final ao pacote de ajuda destinado a Portugal, cujo memorando de entendimento técnico foi fechado na semana passada entre os representantes da Comissão, do BCE e do FMI.

A notícia de um novo pacote financeira para evitar a bancarrota grega surge depois de o presidente do Eurogrupo, o luxemburguês Jean-Claude Juncker, ter dito na sexta-feira que o país precisará de um “programa de ajustamento suplementar”, conforme o PÚBLICO refere na sua edição de hoje.

Juncker falava após uma reunião inicialmente secreta entre os ministros das Finanças de França, Alemanha, Itália, Espanha, Grécia e Luxemburgo, a par de Jean-Claude Trichet, presidente do Banco Central Europeu, e Olli Rehn, comissário europeu responsável pelos assuntos económicos e financeiros.

“The Wall Street Journal” diz que os mercados accionistas europeus receberam bem a notícia, com o Stoxx Europe 600 a subir, bem como os principais índices de Londres, Paris e Frankfurt.

No meio de uma recessão profunda, desemprego muito elevado e agitação social, a Grécia não tem sido capaz de cumprir integralmente o que estava previsto na plano de ajuda e não se perspectiva que consiga regressar aos mercados de dívida no prazo previsto no acordo estabelecido no ano passado com a EU e o FMI.

Neste contexto, e no meio de receios crescentes e rumores persistentes sobre a inevitabilidade de uma reestruturação da dívida do país (o que pode significar pagar aos credores menos do que aquilo que emprestaram), tem sido discutido o prolongamento do prazo do empréstimo de 110 mil milhões de euros acordado há um ano e/ou a diminuição da taxa de juro que lhe está associada.

Notícia actualizada às 10h47