A crise económica e os planos de estabilização

Carlos Moedas afirma que aumento do IVA só aconteceria em “caso hipotético”

Carlos Moedas, em primeiro plano, com Marco António Costa
Foto
Carlos Moedas, em primeiro plano, com Marco António Costa Fernando Veludo/nFACTOS

Carlos Moedas, dirigente do gabinete de estudos do PSD e um dos principais conselheiros de Pedro Passos Coelho, admitiu segunda-feira à noite no Porto que o aumento do IVA só será equacionado pelo partido num cenário quase hipotético, porque, sublinhou,” tudo pode acontecer com o que este Governo nos deixou”.

Moedas faz uma ressalva: “É necessário antes de mais conhecer a verdadeira situação do país, sendo que, sem os dados todos, o PSD não pode dizer como irá agir”, mas garante que a “focalização será sempre na despesa”.

Falando à entrada para a conferência/debate sobre “A crise económica e os planos de estabilização e crescimento”, promovida pela distrital do Porto do PSD, Carlos Moedas manifestou alguma irritação pelo facto de os jornalistas o terem questionado sobre o aumento do IVA, já admitido por Pedro Passos Coelho e que lhe mereceu críticas cerradas por parte do PS, designadamente do secretário-geral, José Sócrates, que acusou o líder social-democrata de dar uma “cambalhota política” em termos de impostos. Na passada sexta-feira Passos Coelho afirmou que só admite aumentar o IVA numa situação de "desespero" em que no "curtíssimo prazo" não haja tempo para tomar outras medidas e como alternativa a mexer nas pensões.

Ontem, Moedas tratou de dizer que o aumento do IVA não era uma matéria que estivesse a ser objecto de estudo por parte dos sociais-democratas, sendo apenas um recurso “hipotético”. E prosseguiu: “Não está em aberto, nem estamos a estudar o aumento do IVA. Estamos a estudar maneiras de cortar a despesa para que este país possa crescer”, disse o dirigente do gabinete de estudos, saindo em defesa do líder do PSD, manifestando estranheza pela forma como as declarações do presidente do partido foram interpretadas, uma vez que, salientou, “não é de todo esse o objectivo [aumentar o IVA]”.

Insistindo que o objectivo do PSD é cortar na despesa, mas “não despesa fácil”, Carlos Moedas perguntou: “O que é que era este PEC?” Era cortar nas pensões das pessoas de 200 euros, em vez de cortar na gordura do Estado”, respondeu, para acrescentar: ”Vamos cortar, cortar, cortar, mas se a situação for tão má, então essa seria uma opção [aumentar o IVA], seria um caso totalmente hipotético que ninguém quer que aconteça, que não vai acontecer, mas que pode vir a acontecer.

“Tudo poder acontecer com aquilo que este Governo nos deixou. Estive nas negociações do Orçamento do Estado e no primeiro dia que lá cheguei tínhamos um buraco de mil e setecentos milhões de euros”, revelou ainda o conselheiro de Passos Coelho

Ao intervir perante os militantes, o dirigente voltou a carregar, disparando contra o Governo no PS, refutando que o que se passa em Portugal não é da responsabilidade da crise internacional, como PS faz questão de vincar. “Há uma crise muito portuguesa de falta de competitividade que nada tem a ver com a crise internacional”, declarou Carlos Moedas, sublinhando que os mercados há muito que estavam fechados para Portugal. Empenhando em desfazer alguns “mistérios” como lhes chamou, Moedas argumentou que a culpa não é das agências de rating, isto porque “antes da crise política acontecer os mercados já estavam fechados” para Portugal. “O Banco Central Europeu é que nos comprava a dívida, porque os grandes investidores quando começaram a ver que o nosso país se tornara muito volátil deixaram de comprar a nossa dívida”.

Acusações de Vieira da Silva são “gratuitas” e “sem fundamento”

Já o vice-presidente e líder da distrital do PSD-Porto, Marco António Costa, afastou os sociais-democratas de quaisquer responsabilidades no corte do “rating”, afirmando que as acusações do ministro da Economia, Vieira da Silva, são “gratuitas” e “sem fundamento”.


Segunda-feira, o ministro da Economia disse que a rejeição da actualização do Programa de Estabilidade e Crescimento apresentado pelo Governo no Parlamento é responsável pela descida generalizada do “rating” das empresas, bancos e da própria República Portuguesa.

Questionado pelos jornalistas, Marco António Costa afirmou que “isso é mais uma afirmação gratuita e sem fundamento” do ministro, frisando que “há dois anos que [as agências de rating vêm permanentemente dando aviso a Portugal relativamente ao seu comportamento”.

Título corrigido às 11h00. "Carlos Moedas corrige Passos e afirma que aumento do IVA só aconteceria em “caso hipotético” foi substituído por "Carlos Moedas afirma que aumento do IVA só aconteceria em “caso hipotético”