Já tinha negociado o Orçamento do Estado com o Governo

Catroga vai ser o coordenador do programa eleitoral do PSD

Catroga: “um documento com as bases para inspirar o programa eleitoral”
Foto
Catroga: “um documento com as bases para inspirar o programa eleitoral” Daniel Rocha

Independente e próximo de Cavaco Silva, o ex-ministro das Finanças aponta para transformações do Estado e incentivos à Economia. O programa tem o nome de código “Esperança”.

Em Dezembro, Eduardo Catroga travou, em nome do PSD, a dura batalha com Teixeira dos Santos para conseguir um acordo com o Governo em torno do Orçamento do Estado para este ano.

Foi um dos processos publicamente mais tensos de negociações de OE e acabou com a assinatura de paz pelo actual ministro das Finanças e por Catroga na sua casa. Agora, o PSD escolheu este antigo titular da pasta num Governo de Cavaco Silva para coordenar a redacção do seu programa eleitoral. Que, diz o próprio ao PÚBLICO, virá a ser o programa de Governo, “caso o PSD mereça a confiança dos portugueses”.

A escolha de Eduardo Catroga para coordenar este trabalho é um sinal que a direcção de Pedro Passos Coelho quer dar, não só de ligação ao Presidente da República, mas do perfil das personalidades a quem atribui responsabilidades. Catroga tem 68 anos e uma vasta experiência financeira e de gestão de empresas, foi ministro das Finanças na segunda maioria absoluta de Cavaco e, apesar da proximidade ao PSD, nunca se filiou no partido.

Ao PÚBLICO, Eduardo Catroga confirmou ter sido “desafiado para coordenar um projecto” – cujo nome de código é Esperança – a realizar até ao fim de Julho, altura em que a equipa deverá apresentar à liderança do PSD “um documento com as bases para inspirar o programa eleitoral”.

“A partir daí, a liderança do partido produzirá o documento político”, acrescenta. Fonte do partido não esconde, porém, que, se o calendário político se precipitar rumo a eleições, este trabalho também acelera.

Catroga vai trabalhar de perto com o Gabinete de Estudos do PSD, dirigido por José Manuel Canavarro e Carlos Moedas, este último um engenheiro que fez parte da equipa “laranja” de negociações do OE2011. Moedas será o elo de ligação mais forte deste grupo à direcção do partido, mas a equipa de “meia dúzia de pessoas” com que Catroga vai trabalhar de perto ainda não está fechada. “Vou trazer duas pessoas de fora, mas ainda estamos em fase de conversações”, disse.

Do Gabinete de Estudos serão aproveitados os trabalhos elaborados nos dois últimos anos, em grupos dedicados a temas políticos, económicos, sociais e virados ao desenvolvimento. Da iniciativa Mais Sociedade – Portugal Faz-se Consigo, dirigida por António Carrapatoso, Catroga conta também receber contributos e pedir opiniões, envolvendo a chamada sociedade civil na elaboração do programa eleitoral. Por fim, Catroga tem também autonomia para pedir contributos a título individual a quem entender.

Questionado sobre qual o modelo político que tem em mente para o trabalho que agora inicia, Eduardo Catroga não tem dúvidas em afirmar ser necessário avançar com reformas do sistema político, económico e social. “Não sou um quadro em branco, mas terei a abertura para, em conjunto com a equipa, analisar as propostas que vamos receber, e trabalhar sobre elas”, afirmou.

Quanto ao modelo que tem defendido, não esconde que entende ser “necessário voltar a dar prioridade ao sector produtivo da economia”, fazendo com que o Estado “seja suportável financeiramente através de uma carga fiscal aceitável”. Para isso, são necessárias “transformações nas funções do Estado e nos incentivos aos agentes económicos e sociais, no sentido de aumentar o valor acrescentado do país”. E isso faz-se “no curto, no médio e no longo prazo”.