PT/Vivo

Advogados contratados pela Telefónica preparam-se para recorrer ao Tribunal Arbitral de Haia

O controlo da Vivo tem estado no centro das negociações entre PT e Telefónica
Foto
O controlo da Vivo tem estado no centro das negociações entre PT e Telefónica Nacho Doce/Reuters

A sociedade de advogados que a Telefónica vai contratar para dissolver a parceria que tem com a Portugal Telecom (PT) na Brasilcel prepara-se para interpor uma acção no Tribunal Arbitral de Haia, avança a imprensa espanhola.

A agência de informação financeira Bloomberg noticia hoje que a espanhola Telefónica vai contratar a sociedade de advogados holandesa Brauw Blackstone Westbroek para dissolver a parceria que tem com a PT na Brasilcel, que é dona de 60 por cento da Vivo e é detida em partes iguais pela PT e pela Telefónica.

“A primeira medida que [a sociedade de advogados] porá em prática é interpor, a breve prazo, uma acção no Tribunal Arbitral de Haia para dissolver a Brasilcel”, noticiam hoje as edições electrónicas dos jornais Cinco Dias e El Mundo, sem citarem fontes.

De acordo com os jornais, a sociedade de advogados holandesa é a mesmo que a Telefónica e a PT contrataram para constituir a Brasilcel.

Na semana passada, o jornal espanhol ABC noticiou que a Telefónica tinha decidido recorrer ao Tribunal Permanente de Arbitragem se não fosse concluído um acordo com a PT para a venda da participação portuguesa na Brasilcel.

Depois das quedas de sexta-feira, e com a que acumula hoje, a capitalização bolsista da PT ronda os 6.000 milhões de euros, um valor inferior aos 7.150 milhões de euros que a Telefónica oferecia pela operadora móvel brasileira.

A Telefónica deu por “extinta”, no sábado, a sua oferta à PT, depois de o conselho de administração da empresa portuguesa “não ter aceitado a oferta dentro do prazo fixado”.

A PT tinha pedido à Telefónica, na sexta-feira, para ampliar o prazo da negociação para a venda da Vivo.