Visita à Venezuela

Sócrates no país de Chávez, onde é preciso ter paciência

José Sócrates chega hoje à Venezuela para mais um encontro com Hugo Chávez, o "amigo primeiro-ministro". E Basílio Horta, presidente da AICEP, aconselha paciência. "Paciência e perseverança". Por dois motivos: a enorme comunidade portuguesa e um mercado como o da Venezuela justificam a paciência para esperar pelos negócios de muitos milhões com o país de Chávez.

Falando ao PÚBLICO, Basílio Horta admitiu que a deslocação do primeiro-ministro à Venezuela - a segunda desde 2008 e desta vez durante 17 horas - será importante "para desbloquear alguns projectos". E há vários que correram mal, entre eles o do parque de frio, o das casas prefabricadas do grupo Lena e o da venda de soja pela Sovena.

A importância do encontro com Chávez no Palácio de Miraflores é evidente. A Venezuela é um país com uma economia muito estatizada, pelo que é com Chávez que é preciso resolver os problemas que se prolongam desde a assinatura dos acordos de Maio de 2008, o famoso acordo "petróleo por comida", para Portugal receber 10 mil barris de petróleo por dia. Negócios de mais três mil milhões de euros que passam pelo projecto do computador Magalhães. Acordos assinados há dois anos, altura em que Sócrates e Chávez se encontraram quatro vezes, e que agora serão avaliados. Mas o Governo quer lançar outros projectos, na área das energias renováveis.

"Houve alguns projectos que não foram integralmente cumpridos ou alguns suspensos, mas isso tem a ver com a crise económica que afectou gravemente a Venezuela", disse Basílio Horta, relativizando os atrasos. Um exemplo: "Os parques de frio, um projecto de largos milhões de euros, foram suspensos porque houve alturas em que havia falhas de electricidade" na Venezuela.

A resposta da AICEP e do Governo é mesmo resistir. "É preciso ter alguma paciência e perseverança. Há que ter em conta dois factos: temos muitos portugueses na Venezuela, mais de 600 mil. Segundo, é um grande mercado, onde não tínhamos praticamente nada. E agora exportamos para lá: no ano passado mais de cem milhões de euros e no primeiro trimestre de 2010 já vamos em 50 milhões"

Ontem, antes de partir para Caracas, Sócrates cumpriu o último dia de visita ao Brasil. No Rio de Janeiro participou no III Fórum da Aliança das Civilizações, cujo alto representante é o ex-Presidente Jorge Sampaio. Sócrates falou da diversidade cultural como caminho para a paz e da nova ordem mundial, e defendeu que deve ser "mais multipolar" e evitar a "intolerância civilizacional, cultural e religiosa". E reuniu-se com empresários portugueses que querem investir no Brasil.