País espera entrar na comunidade em 2012

Islândia formaliza candidatura à União Europeia

A primeira-ministra islandesa, Johanna Sigurdardottir, é uma das principais defensoras da adesão
Foto
A primeira-ministra islandesa, Johanna Sigurdardottir, é uma das principais defensoras da adesão Ints Kalnins/Reuters

A Islândia apresentou hoje formalmente a sua candidatura à União Europeia, uma semana depois de o Parlamento de Reiquejavique ter votado favoralmente a adesão.

A AFP adiantou que o ministro dos Negócios Estrangeiros islandês, Ossur Skarphedinsson, entregou o pedido ao seu homólogo sueco, Carl Bildt, cujo país preside actualmente ao Conselho Europeu, durante uma cerimónia em Estocolmo.

Tratou-se apenas de oficializar o pedido, uma vez que os embaixadores islandeses em Bruxelas e Estocolmo tinham já apresentado a candidatura à adesão na sexta-feira passada, um dia depois da votação no Parlamento.

A adesão da Islândia é apoiada pela presidência sueca da UE e hoje Carl Bildt declarou que a entrada do país vizinho “reforçará a dimensão nórdica da Europa”.

A ilha no Atlântico Norte, que no Outono do ano passado esteve à beira da falência, é já membro do Espaço Económico Europeu (que junta a UE aos dos Estados-membros da Associação Europeia de Livre Comércio, mais conhecida pela sigla EFTA), o que permitirá acelerar as negociações de adesão.

A primeira-ministra islandesa, Johanna Sigurdardottir, espera que o país possa aderir à UE até 2012, apesar de o tema não ser ainda consensual entre a classe política islandesa e merecer resistência por parte da população, que teme uma perda de soberania, nomeadamente sobre os seus recursos pesqueiros, uma das principais fontes de rendimento da Islândia.

Caso as negociações sejam bem-sucedidas, terá de realizar-se um referendo para que a adesão possa concretizar-se.