Pelo menos cinco pessoas morreram

Itália decreta estado de emergência devido aos incêndios florestais

Um homem morreu hoje, vítima do incêndio em Peshici
Foto
Um homem morreu hoje, vítima do incêndio em Peshici Fabio Serino/Reuters

O Conselho de Ministros italiano decretou hoje estado de emergência no centro e no sul do país, nas regiões devastadas há uma semana por incêndios florestais, que já fizeram cinco mortos. A organização WWF alerta que já foram destruídos nove mil hectares de áreas protegidas.

O estado de emergência, que permite a atribuição de indemnizações, engloba as regiões de Campania, Sardenha, Sicília e Calábria.

A situação melhorou hoje, com apenas um foco de incêndio no Parque Nacional de Pollino, que é um dos maiores de Itália.

A organização internacional de defesa do ambiente WWF reviu hoje em alta a sua estimativa da área protegida destruída, de 4500 para nove mil hectares.

"A maioria dos incêndios destes últimos dias é de natureza criminosa. É bem sabido que o fogo, quase sempre, serve para remover árvores e outros obstáculos naturais, em benefício de novos hotéis, pastagens ou habitações", acusa a WWF.

A procuradoria de Castrovillari, responsável pelo inquérito aos incêndios no Parque Nacional de Pollino, denunciou a existência de uma operação "premeditada" que resultou da "associação de várias pessoas", apontando o dedo à criminalidade organizada.

O chefe da Protecção Civil, Guido Bertolaso, criticou na terça-feira o facto de várias regiões não terem em dia os cadastros das zonas queimadas. A legislação italiana prevê que não possa ser realizada nenhuma nova construção numa zona afectada pelos incêndios durante um período de 15 anos.

Segundo a agência Ansa, um homem de 60 anos, que ficou gravemente queimado a 24 de Julho, num incêndio em Peshici, faleceu esta manhã, elevando para cinco o número de vítimas mortais.