Governo reforça vontade de trazer produção de Bollywood para Portugal

“Só podemos ter produção de cinema em Portugal se tivermos, para lá do cinema produzido em Portugal, cinema de outros países produzido em Portugal”, disse Barreto Xavier.

Bollywood é a mais produtiva indústria cinematográfica mundial Miguel Manso

O Governo português quer “criar plataformas de trabalho” para que a produção cinematográfica de Bollywood, a maior do mundo, passe também por Portugal. “Só podemos ter produção de cinema em Portugal se tivermos, para lá do cinema produzido em Portugal, cinema de outros países produzido em Portugal”, defende o secretário de Estado da Cultura na Índia, onde se encontra com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, e com 35 empresários de vários sectores.

Já em Dezembro de 2012, e durante uma outra viagem à Índia de uma delegação portuguesa, o Turismo de Portugal e a então secretária de Estado do Turismo, Cecília Meireles, anunciaram a intenção de captar o interesse de produtores de cinema indianos para filmar em Portugal. Durante essa visita à Índia, Cecília Meireles disse, citada pelo semanário Sol, que “todos os organismos internacionais que tratam deste sector estão a fazer o mesmo no mercado indiano” – ou seja, criar condições para que as equipas de cinema de Bollywood filmem nos seus países, com o objectivo de os divulgar como destinos turísticos. Bollywood é uma indústria que produz mais de 750 filmes por ano, 80 dos quais rodados no estrangeiro.

Agora, a visita de cinco dias ao país da delegação encabeçada pelo ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros e que passará por Nova Deli, Bombaim e Goa, inclui também a vontade do secretário de Estado da Cultura de “criar plataformas de trabalho para que hoje em dia a produção cinematográfica indiana, a maior do mundo, também nos possa beneficiar”.

Jorge Barreto Xavier disse à Lusa que Portugal já tem previsto para “este ano trabalho de produtores cinematográficos indianos” no país “com filmes que vão ser desenvolvidos [filmados] na região do Douro e no Alentejo”, algo que era já o objectivo da viagem, no final de 2012, do Turismo de Portugal e da Secretaria de Estado do Turismo à Índia. Mas o secretário de Estado da Cultura, nascido em Goa, disse ainda que não se refere apenas à captação de rodagens de filmes indianos, mas a outras componentes do processo cinematográfico. “Não é impossível”, desde o argumento à montagem, “termos produção em Portugal”, afirmou.  


Arquitectura e arquivos
Barreto Xavier adiantou ainda este domingo que, na passagem pela Índia, pretende reforçar a cooperação com a Índia na área dos arquivos e promover a literatura e a arquitectura portuguesas no país.

No que toca aos arquivos, o secretário de Estado indica que o Governo está “a trabalhar para uma maior cooperação na área histórica e documental” e espera que o acordo fique concluído nesta visita. “Na recuperação patrimonial e no livro, temos de encontrar caminhos de trabalho mais próximos”, disse à Lusa. Neste que é o ano da arquitectura portuguesa, o secretário de Estado vai encontrar-se “com o arquitecto Charles Correa, autor [do edifício] da Fundação Champalimaud, para potenciar a arquitectura portuguesa na Índia”, disse ainda Barreto Xavier à Lusa. “Temos visibilidade na arquitectura e por isso queremos potenciar (esta área), até porque arrasta a engenharia, a construção civil, o design, o design de interiores”, sublinhou o secretário de Estado, que referiu igualmente os contactos que vão ser estabelecidos com o meio académico indiano.

O governante acrescentou que vai ainda contactar com universidades, para que haja intercâmbio de professores e alunos entre estabelecimentos de ensino dos dois países.
 

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.