Víctor Erice: “Reivindico o cinema da minha infância, que acabava com o triunfo do bem e o castigo do mal”

Trinta anos depois de O Sol do Marmeleiro, Víctor Erice regressa às longas e à ficção. Fechar os Olhos é um filme de “resistência”, que “não se faz na Netflix”.

cultura,ipsilon,lazer,entrevista,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Fechar os Olhos, filme de Víctor Erice, estreia-se esta quinta-feira nos cinemas portugueses
cultura,ipsilon,lazer,entrevista,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Fechar os Olhos, filme de Víctor Erice, estreia-se esta quinta-feira nos cinemas portugueses
Ouça este artigo
00:00
08:59

Víctor Erice é um cineasta raro. Se é verdade que não esteve parado desde O Sol do Marmeleiro (estreado em 1992), que filmou várias curtas-metragens, que teve até uma grande colaboração com Abbas Kiarostami num filme feito “em correspondência”, também é verdade que há 30 anos que não havia um filme seu com o apelo que Fechar os Olhos tem (leia a crítica).

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue - nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.
Sugerir correcção
Comentar