Azores Bravos Trail: correr as belezas da Terceira a cruzar florestas e por dentro do vulcão

A competição de trail running, com epicentro no Algar do Carvão, prepara-se para a quarta edição, em Outubro, e com número recorde de inscritos. Há vários percursos conforme a vontade, mas o percurso maior do Azores Bravos Trail é feito de cem quilómetros desafiantes.

Azores Bravos Trail AZBT
Fotogaleria
Azores Bravos Trail AZBT

Lama, nevoeiro, subidas e descidas com pedras e "armadilhas" e a passagem pelo cone vulcânico do Algar do Carvão. Tudo é música para os ouvidos dos atletas que irão disputar mais um Azores Bravos Trail, evento que teve a sua primeira edição em 2020, em plena pandemia, que não impediu que fossem desbravados os trilhos e a beleza das paisagens da Ilha Terceira, e que regressa a 7 de Outubro com número recorde de participantes.

"Toda a gente chega ao fim e diz que é uma prova muito dura, muito dura, mas que é para repetir", explica à Fugas Ricardo Matias, director de prova de um evento que "envolve a ilha toda" e que se orgulha de "promover o bem receber", para além de revelar a identidade e as particularidades da Terceira. Cada corrida é lançada com um foguete. A despedida é celebrada por todos os participantes com um convívio no Parque Municipal do Relvão, à volta de produtos locais. A hospitalidade, para além da paisagem, também é um dos segredos da competição.

Os participantes das diferentes distâncias cruzam-se no Algar do Carvão. Desde a casa abrigo até ao anfiteatro no fundo da gruta são 242 degraus para lá e outros tantos para voltar à superfície. A corrida segue então para os Mistério Negros — onde, aos poucos, a vegetação vai ganhando terreno à rocha vulcânica — e desce à zona balnear dos Biscoitos, conhecida pelas curraletas de vinha, para voltar a subir até à Rocha do Chambre (zona de reserva, aberta neste dia por especial autorização), que empresta a silhueta ao logotipo dos Bravos. Continua a prova pela Caldeira Guilherme Moniz e até à Serra do Morião.

Em 2001, com a repetição do traçado, a organização tinha a noção de que havia "um diamante para lapidar". O trail running — correr e caminhar por trilhos num ambiente selvagem, normalmente em terrenos montanhosos — "tinha chegado à Ilha Lilás para ficar". De 160 atletas na edição inaugural, a corrida contou com 230 corredores.

E para o terceiro ano de prova, graças à experiência acumulada, voltou a aumentar o número de participantes e o trail passou a ligar as duas cidades terceirenses, Praia da Vitória e Angra do Heroísmo, património mundial da humanidade, cujo casco histórico foi atravessado pelos atletas para terminarem as quatro corridas no Relvão, paredes meias com a Fortaleza de São João Baptista, e de olhos postos na Baía das Descobertas.

Para 2023, o desafio dos cem quilómetros — que já conta para as principais competições nacionais — terá a maior participação da sua curta história, tendo há dias sido ultrapassado o recorde de 313 inscritos. Este percurso maior, que começa e termina junto ao mar, desenvolve-se maioritariamente por trilhos interiores.

O Azores Bravos Trail conta ainda com provas de 65, 35 e 15 quilómetros.

Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT
Azores Bravos Trail
Azores Bravos Trail AZBT