Carta de três ismailis à sociedade portuguesa

A nossa incredulidade e sofrimento foram exacerbados pelo discurso público em torno do sucedido, que, rapidamente, assumiu contornos populistas e falaciosos.

Foto
Rui Gaudencio

Este é um texto que nunca pensámos ter de escrever. No entanto, após testemunharmos o modo como a tragédia do passado 28 de março no Centro Ismaili de Lisboa, que tirou a vida à Farana Sadrudin e à Mariana Jadaugy, foi instrumentalizada para gerar mais-valia mediática e política, vemo-nos forçados a vir a público com esta intervenção.

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue - nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.