Um morto e quatro feridos em ataque com arma branca em igrejas no sul de Espanha

Ataque está a ser investigado como “alegadamente terrorista”. Vítima mortal era um sacristão.

Foto
Um homem atacou várias pessoas com uma arma branca, em Algeciras, Espanha EPA/A. Carrasco Ragel

Uma pessoa morreu e outras quatro pessoas ficaram feridas esta quarta-feira num ataque a duas igrejas em Algeciras, no sul de Espanha. As vítimas foram feridas com uma arma branca por um homem que já foi detido, segundo as autoridades espanholas.

O homem dirigiu-se a pelo menos duas igrejas no centro de Algeciras e, com gritos de "Alá", atacou várias pessoas com uma arma semelhante a uma catana ou um machete, tendo uma delas, um sacristão, morrido depois de ter sido esfaqueado na rua, segundo autoridades espanholas e relatos divulgados pelos meios de comunicação social.

Outra das pessoas atacadas foi um padre que, segundo as mesmas fontes, ficou ferido com gravidade.

Citado pelo El País, um padre de Algeciras, descreve que o atacante começou por dirigir-se à igreja paroquial de San Isidro, onde atacou uma pessoa. "Depois foi para a igreja na Plaza de la Palma, onde esbarrou contra um sacristão na rua e atacou-o aí", conta a testemunha, adiantando que pareceu que o atacante pretendia dirigir-se a uma capela, da Nossa Senhora da Europa, também no centro de Algeciras.

Ao El Mundo, o empregado de um bar nas imediações refere que o sacristão morto confrontou o suspeito quando este entrou na igreja. O homem atacou o sacristão "e depois perseguiu-o até conseguir apanhá-lo na praça". Esta testemunha também confirma que o atacante se dirigiu à capela da Nossa Senhora da Europa, onde desferiu vários golpes na porta.

O ataque ocorreu por volta das 20h locais (19h em Lisboa) e, segundo o Ministério Público espanhol, está a ser investigado como "alegadamente terrorista".

"Os factos estão a ser investigados e analisados, mas ainda não é possível determinar a natureza do ataque", referiu o ministério em comunicado.

O primeiro-ministro de Espanha, Pedro Sánchez, considerou "terrível" o ataque e manifestou apoio ao trabalho das forças de segurança.

"Quero enviar as minhas mais sinceras condolências aos familiares do sacristão falecido no terrível ataque de Algeciras. Desejo uma rápida recuperação dos feridos", escreveu Sánchez, na rede social Twitter. O líder do governo espanhol e do partido socialista de Espanha (PSOE) manifestou ainda "todo o apoio ao trabalho" das forças de segurança do Estado.

Também o líder do Partido Popular (PP, a maior força na oposição em Espanha), Alberto Níñez Feijóo, manifestou no Twitter consternação pelos ataques em Algeciras, transmitiu os "pêsames à família do sacristão falecido" e desejou a rápida recuperação dos feridos.

O presidente do governo regional da Andaluzia, Juan Manuel Moreno (do PP), classificou o ataque como "terrível e doloroso" e pediu "prudência", lembrando que o caso está a ser investigado. "A intolerância nunca terá espaço na nossa sociedade", escreveu Juan Manuel Moreno (conhecido como Juanma Moreno).

Sugerir correcção
Ler 26 comentários