O memorial à escravatura está parado? — perguntou o historiador Lonnie Bunch (e nós também)

Câmara de Lisboa informou o artista Kiluanji Kia Henda de que são precisos pareceres técnicos da Direcção-Geral do Património Cultural e da EMEL. Pedido ainda não chegou à tutela da Cultura.

Foto
Teste feito em 2021 com protótipos do Memorial de Homenagem às Pessoas Escravizadas Valter Vinagre

O historiador norte-americano Lonnie G. Bunch III, que esteve em Lisboa na semana passada para problematizar a memória da escravatura, estranhou que o memorial de homenagem às pessoas escravizadas previsto para o Campo das Cebolas, junto ao rio Tejo, ainda não tenha sido concretizado.

Sugerir correcção
Ler 36 comentários