Regresso aos arames, antes do Brasil que por aí vem

Enquanto a celebração dos cordofones portugueses continua de boa saúde, anunciam-se para 2023 grandes concertos brasileiros.

Já aqui se escreveu, em Julho, que há muitas razões para a Cultura “ir aos arames”, além de estar quase sempre presa por arames. As razões mantêm-se e o fundamento não varia, já que as verbas para apoio às artes, ainda que os resultados sejam provisórios, deixaram de fora grupos que se sentem injustiçados (como o Teatro Maizum), que por isso se manifestam (como a Seiva Trupe) ou anunciam que vão recorrer (como A Barraca). Isto só para citar alguns, enquanto do lado do ministro da Cultura a única promessa é a de que a verba dos apoios bienais não vai ser reforçada.

Sugerir correcção
Comentar