As duas maiores maternidades do país são privadas. E aí mais de metade dos bebés nascem por cesariana

Quase um terço dos partos na região de Lisboa foram feitos nos privados. SNS precisa de “medidas excepcionais”, diz líder da comissão que propôs soluções para maternidades públicas

Foto
Os três hospitais privados estão a fazer mais partos porque estão a receber mais grávidas de outras unidades Manuel Roberto

Com o problema da falta de médicos em várias maternidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS) a agravar-se e a natalidade a recuperar ligeiramente este ano, os três grandes hospitais privados da capital continuam a somar pontos. Entre Janeiro e Outubro deste ano, os três fizeram de novo quase um terço do total de partos na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT). E dois – o dos Lusíadas e o da Luz - viram nascer neste período mais bebés do que a Maternidade Alfredo da Costa (MAC) e até mais do que o Centro Materno-Infantil do Norte (CMIN), que nos últimos anos se posicionou como o maior bloco de partos do país.

Sugerir correcção
Ler 42 comentários