Um golpe de Estado “bastante estranho” em São Tomé e Príncipe

Delfim Neves, o ex-presidente da Assembleia Nacional, foi detido por ter sido referido como um dos financiadores. Há registo de quatro mortos e vários torturados.

Foto
Delfim Neves, fotografado o ano passado quando ainda era presidente da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe Lourenço Silva

Um alegado golpe de Estado em São Tomé e Príncipe, tão amador que começou sem armas e com quatro homens vestidos à civil a entrarem de madrugada num quartel com ajuda de militares que lhes abriram a porta, acabou com quatro mortos, muitos detidos, entre eles o ex-presidente da Assembleia Nacional, Delfim Neves.

Sugerir correcção
Ler 4 comentários