Pinóquio, um boneco de madeira entre os fascistas

Guillermo del Toro é mais adulto a falar para crianças do que quando se quer dirigir a adultos.

aventuras-pinoquio,carlo-collodi,matteo-garrone,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Há um mundo adulto e ancorado na História a servir de fundo, referências ao fascismo italiano
Guillermo del Toro's Pinocchio - (L-R) Gepetto (voiced by David Bradley) and Pinocchio (voiced by Gregory Mann). Cr: Netflix © 2022
Fotogaleria
Há um mundo adulto e ancorado na História a servir de fundo, referências ao fascismo italiano
aventuras-pinoquio,carlo-collodi,matteo-garrone,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Há um mundo adulto e ancorado na História a servir de fundo, referências ao fascismo italiano
aventuras-pinoquio,carlo-collodi,matteo-garrone,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Há um mundo adulto e ancorado na História a servir de fundo, referências ao fascismo italiano
,Netflix
Fotogaleria
Há um mundo adulto e ancorado na História a servir de fundo, referências ao fascismo italiano
,Parar o movimento
Fotogaleria
Há um mundo adulto e ancorado na História a servir de fundo, referências ao fascismo italiano

Há sempre um lado infantil nos filmes teoricamente “adultos” de Guillermo del Toro. Os universos fabulosos, a atracção pela bonecada, a moral simples e límpida dos contos de fadas, a ornamentação sentimental — enfim, uma espécie de constante pacto de não-agressão, desenxabido como tudo mas bem ao gosto da época, capaz de render Óscares (o insuportável A Forma da Água) e suficiente para guindar del Toro à posição de uma das mais influentes figuras da Hollywood contemporânea, definitivamente um reino de crianças grandes, como qualquer cerimónia da Academia anualmente confirma.

Sugerir correcção
Comentar