“Vemos no QAnon muitos dos elementos de ideologia que Hannah Arendt descreve”

Samantha Rose Hill é uma estudiosa do percurso e das ideias de Hannah Arendt. Assina uma nova biografia deste vulto do século XX, uma filósofa-poeta com quem “podemos pensar”.

Foto
Hannah Arendt Fred Stein Archive/Archive Photos/Getty Images

Rejeitava todo e qualquer pensamento ideológico. Denunciou o anti-semitismo e os excessos do sionismo. Criticou o totalitarismo (quando viu o parlamento alemão a arder, em 1933, soube que tinha de agir) e descreveu, com enorme actualidade, como ele se instala nas sociedades. Defendeu que o mal pode ser uma prática banal e burocrática – e pôs meio mundo intelectual contra ela. O pensamento de Hannah Arendt foi fecundo, tanto como a sua vida, marcada pela perseguição nazi aos judeus e pelas ligações a gigantes do pensamento e das artes, de Martin Heidegger a Walter Benjamin.

Sugerir correcção
Ler 9 comentários