Ela Disse — o filme sobre começar uma revolução a partir da violação

Baseado na investigação do New York Times, é um filme que abafa Harvey Weinstein porque é sobretudo sobre jornalismo. E pode vir na altura certa.

assedio-sexual,ipsilon,new-york-times,jornalismo,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Zoe Kasdan e Carey Mulligan em "Ela Disse" Universal Pictures
(from left) Hywel Madden (Wesley Holloway), Laura Madden (Jennifer Ehle) and Iris Madden (Justine Colan) in She Said, directed by Maria Schrader.
Fotogaleria
(from left) Hywel Madden (Wesley Holloway), Laura Madden (Jennifer Ehle) and Iris Madden (Justine Colan) in She Said, directed by Maria Schrader. JoJo Whilden/Universal Pictures

A primeira cena de Ela Disse não grita. Uma rapariga passeia o cão à beira-mar, feliz. A segunda cena arqueja com ela, numa aflição que diz ao espectador: “Isto é importante”. As restantes duas horas de Ela Disse são a expressão do “dever sagrado” que a actriz Zoe Kazan diz sentir ao contar a história, ao lado Carey Mulligan, da investigação jornalística que fez da palavra uma arma contra o assédio sexual e a discriminação sistémica. Este é um filme que começa e acaba no jornalismo sobre o caso Harvey Weinstein e que precede a vulgarização da expressão “movimento #MeToo” — mas dá-se o caso de este ser um filme sobre um predador que caçava na indústria do cinema, cuja visibilidade e glamour foi essencial a para que esta história, e não outra qualquer (sobre Trump, sobre Bill O’Reilly, sobre Bill Cosby) mudasse o equilíbrio na balança da expressão “é a palavra dela contra a dele”.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários