É com a arte que a pintora Olga Sinclair luta contra a desumanização das crianças

Em Outubro do próximo ano, a artista panamenha vai convidar crianças portuguesas para pintar num jardim de Lisboa, com o apoio da Embaixada do Panamá e da autarquia da cidade.

Foto
A exposição Cor e Esperança está na Casa da América Latina, em Lisboa, até 9 de Janeiro DR

Nasceu no Panamá, mas vive em Caracas, na Venezuela, onde o marido é o embaixador de Espanha. Olga Sinclair passou por Lisboa, na última semana, para a inauguração oficial da sua exposição Cor e Esperança, patente na Casa da América Latina até 9 de Janeiro. A mostra já passou por Madrid, Valência, Cuenca e Barcelona e inclui trabalhos que fez antes da pandemia e outros realizados durante o confinamento, quando estava em Madrid, e não se podia sair de casa. “Acabaram-se-me os materiais de pintura e comecei a usar vinho tinto, Betadine, café... Tudo o que tinha à mão. Foi interessante porque o artista, quando está em circunstâncias difíceis, procura a melhor maneira de se expressar. A contenção e a angústia expressam-se utilizando qualquer material. É lindo, porque nos damos conta de que a arte não tem limites para se reinventar”, conta em entrevista ao PÚBLICO a presidente da fundação epónima, criada em 2010 e que se dedica ao trabalho com crianças.

Sugerir correcção
Comentar