Máfia do Sangue: Cunha Ribeiro pede suspensão provisória do processo por 24.300 euros

Ministério Público admite aceitar a suspensão do processo em troca do pagamento de valores pecuniários, mas não para todos os arguidos.

Foto
Debate instrutório do processo O Negativo decorreu no campus da Justiça, em Lisboa. Rui Gaudêncio

O ex-presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e da Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo, Luís Cunha Ribeiro, acusado de um crime de corrupção passiva e de mais outros 11 ilícitos, no processo Máfia do Sangue, também conhecido por O Negativo, requereu a suspensão provisória do processo por um ano e mediante o pagamento de 24.300 euros.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários