Olga Tokarczuk: “Sou feliz por escrever”

A literatura é um tipo sofisticado de comunicação interpessoal. A frase da polaca Olga Tokarczuk, nesta entrevista ao Ípsilon, sublinha a ideia de literatura enquanto forma de participação no mundo e de um narrador sensível ao que não se vê.

Foto
Olga Tokarczuk Lukasz Giza

No conto Crianças Verdes do livro Histórias Bizarras, de Olga Tokarczuk, o último da Nobel de 2018 editado em Portugal, encontramos o seguinte fragmento sobre a guerra: “A guerra é um fenómeno terrível, infernal — mesmo que as povoações não sejam palco dos combates —, que se espalha por todo o lado, sob o telhado de colmo mais humilde, trazendo fome, doenças e medo generalizado, e tornando os corações mais duros e indiferentes.

Sugerir correcção
Ler 6 comentários