Governo promete adaptar cortes de electricidade e contribuição dos lucros extraordinários

Bruxelas dá flexibilidade aos Estados-membros para reduzir em 5% o consumo nas horas de pico e cobrar uma contribuição solidária de 33% sobre os lucros das empresas energéticas que fiquem 20% acima da média dos últimos quatro anos.

Foto
EPA/OLIVIER HOSLET

O Governo ainda não sabe como é que vai “adaptar à realidade portuguesa” e ao “contexto nacional” os parâmetros do novo regulamento para uma intervenção de emergência no mercado da electricidade, nomeadamente a aplicação do corte obrigatório de 5% do consumo durante as horas de pico e a cobrança de uma contribuição solidária de 33% sobre os lucros extraordinários das empresas de energias fósseis.

Sugerir correcção
Comentar