E agora o que fazemos à extrema-direita?

Só posso oferecer é uma constatação: o que se tem feito até agora para combater a ascensão da extrema-direita não resultou. E não vai resultar.

Foto
Luís Montenegro Daniel Rocha

Como toda a gente apreciadora de democracia, pluralidade e tolerância, não tenho, infelizmente, nenhum manual com dez passos para combater a ascensão da extrema-direita para aqui apresentar ao som de aplausos. O que posso oferecer é uma constatação: o que se tem feito até agora não resultou. E não vai resultar. Como demonstra a eleição da coligação de direita radical liderada por Georgia Meloni em Itália, a coligação do centro-direita e da extrema-direita na Suécia, a subida da Frente Nacional em França, os governos já estabelecidos na Hungria e na Polónia, o “Brexit” e a deriva nacionalista dos conservadores britânicos, a acrescentar aos partidos de extrema-direita que pululam por todos os países europeus. O que se fez até agora, dado este cenário, pode bem ir para o manual “o que NÃO fazer”.

Sugerir correcção
Ler 36 comentários