Numa igreja ou num jardim do Porto, o Mimo vai de África ao Brasil, da Índia a Portugal

Entre esta sexta-feira e domingo, o festival desdobra-se por vários locais do Porto com concertos e outras actividades de entrada gratuita. Mário Lúcio, Asa, Branko, Don Letts, Emicida ou KT Gorique compõem o alinhamento.

Foto
Emicida, Mário Lúcio, KT Gorique, Rafael Bqueer, Pedro Burmester, Maria João e Mário Laginha, Branko: um cartaz "multigénero" montagem público

Em 2016, o festival Mimo saiu pela primeira vez do Brasil para instalar-se em Amarante, onde ficou durante quatro edições. Agora, entre esta sexta-feira e domingo, migra para o Porto - e, na verdade, era esse o plano desde o início. “Quando vim para Portugal, eu vim para fazer no Porto. Foi aqui que tive as primeiras reuniões de internacionalização”, conta ao PÚBLICO Lu Araújo, directora do festival, desde 2016 a viver entre o Porto e São Paulo.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários