Tristeza de vida, o interior português

Restos do Vento é uma espécie de fábula exemplar que pedia outra violência, outra chama, outra complexidade no tratamento das personagens.

tiago-guedes,paulo-branco,tiago-rodrigues,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Mais exposição narrativa do que pulsação de cinema: Restos do Vento
tiago-guedes,paulo-branco,tiago-rodrigues,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Mais exposição narrativa do que pulsação de cinema: Restos do Vento
tiago-guedes,paulo-branco,tiago-rodrigues,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Mais exposição narrativa do que pulsação de cinema: Restos do Vento
tiago-guedes,paulo-branco,tiago-rodrigues,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Mais exposição narrativa do que pulsação de cinema: Restos do Vento

Restos do Vento nasce de um argumento assinado por Tiago Guedes e Tiago Rodrigues, e isso coloca-o ao mesmo tempo na sequência de Tristeza e Alegria na Vida das Girafas (também fruto de uma colaboração dos dois) e de A Herdade, com quem partilha o produtor, Paulo Branco, e a ambientação na ruralidade portuguesa. Mas a ruralidade contemporânea, sem sombras do pequeno “viscontianismo” de A Herdade e do seu olhar sobre a decadência do antigo regime medida através do destino de uma família de latifundiários.

Sugerir correcção
Comentar