Um díptico para reinterpretar o pantsula, a dança que fez frente ao apartheid

Em Via Injabulo, a companhia sul-africana Via Katlehong junta-se ao coreógrafo português Marco da Silva Ferreira e ao franco-senegalês Amala Dianor. Duas peças, duas visões sobre uma dança que se tornou veículo de resistência e orgulho das comunidades negras da África do Sul - e que está sempre pronta a desmultiplicar-se. Esta sexta e sábado, chega ao Rivoli.

Foto
Pedro Sardinha

Anos 50, África do Sul, apartheid, e mesmo assim, ou por ser assim, dançava-se. A toda a velocidade, a toda a energia. Nas ruas das townships - guetos nas periferias das cidades onde vivia, e ainda vive, a população negra - florescia o pantsula, uma dança que se tornou veículo de resistência, união e orgulho de comunidades brutalmente segregadas e empobrecidas, o ajuste de contas possível, imperfeito, com um regime que viria a desmoronar-se em 1994, deixando um legado difícil de sacudir.

Sugerir correcção
Comentar