Guterres “profundamente preocupado” com lei norte-coreana sobre ataques nucleares “automáticos”

Secretário geral da ONU considera que aprovação da lei vai contra “décadas de desforços da comunidade internacional” para reduzir o nível de risco nuclear.

Foto
Guterres pediu que a Coreia do Norte retome o diálogo "com as principais partes interessadas" para que se alcance uma "paz sustentável" EPA/SOHAIL SHAHZAD

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU) manifestou esta sexta-feira “profunda preocupação” com uma lei norte-coreana que autoriza o lançamento de ataques “automáticos” com armas nucleares e que declara como “irreversível” o estatuto de potência nuclear do país.

“Aumentar o papel e a importância das armas nucleares nas doutrinas de segurança é contrário a décadas de esforços da comunidade internacional para reduzir e eliminar os riscos nucleares”, disse, em comunicado, o gabinete de António Guterres, salientando que o secretário-geral está “profundamente preocupado” com a aprovação desta lei.

A lei foi aprovada numa sessão do parlamento do país na quinta-feira, durante a qual o líder norte-coreano, Kim Jong-Un, garantiu que Pyongyang nunca abandonará o seu arsenal nuclear nem cederá às sanções internacionais contra o seu programa de armamento, nem mesmo “em centenas de anos”.

“Se o sistema de comando e controlo da força nuclear nacional estiver em risco de ser atacado por forças hostis, um ataque nuclear é realizado automaticamente e imediatamente”, refere a lei, citada pela agência KCNA.

Segundo a agência de notícias oficial norte-coreana, se a liderança de Pyongyang, incluindo Kim Jong Un, estivesse em perigo, um contra-ataque nuclear seria lançado, independentemente do tipo de ataque sofrido.

“Isto é interpretado com o propósito de sublinhar à comunidade internacional que a Coreia do Norte é um Estado com armas nucleares ‘de facto'”, disse Kim Jong-Un.

A Coreia do Norte, ao prosseguir com o seu programa de armas nucleares, incluindo o desenvolvimento de mísseis com tecnologia balística, “continua a desrespeitar as resoluções do Conselho de Segurança para cessar tais actividades”, disse Guterres.

O secretário-geral da ONU reiterou o seu apelo à Coreia do Norte para que retome “o diálogo com as principais partes interessadas com vistas a alcançar uma paz sustentável e a desnuclearização completa e verificável da Península Coreana”, segundo o comunicado.

Já o líder norte-coreano defendeu que as armas nucleares são necessárias para combater a hostilidade dos Estados Unidos, país que acusou de organizar uma campanha de pressão cujo “objectivo final” é derrubar o governo da Coreia do Norte.

Os contactos diplomáticos entre Washington e Pyongyang estão congelados desde 2019 devido a divergências sobre o alívio de sanções internacionais contra a Coreia do Norte e sobre uma eventual desnuclearização da península coreana.

Kim Jong-Un criticou também os planos da vizinha Coreia do Sul de expandir as suas capacidades de ataque convencionais e de retomar exercícios militares em larga escala com os Estados Unidos, descrevendo-os como uma acção militar “perigosa” que aumenta as tensões.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários