Os cineastas iranianos e o cárcere

Perante Beyond the Wall, de Vahid Jalilvand, e No Bears, de Jafar Panahi, é impossível não fortificar a admiração por uma cinematografia que, sendo um dos alvos dos ataques à liberdade de expressão cometidos no Irão, tem uma energia destas para se renovar, para além de se manter viva.

Foto
"Beyond the Wall", um dos dois títulos iranianos apresentados em competição cortesia festival de veneza

Mais um nome de cineasta iraniano para fixar: Vahid Jalilvand. Para juntar a Panah Panahi (Estrada Fora) ou a Saeed Roustayi (A Lei de Teerão), cineastas que “chegaram” às salas portuguesas este ano, no preciso momento em que os seus nomes também se afirmavam internacionalmente. A ver se também nos actualizamos, espectadores portugueses, em relação a Vahid, 46 anos, com percurso iniciado no teatro, formado pela Universidade de Teerão, em 2017 premiado como melhor realizador na secção Horizontes do Festival de Veneza, por No Date, no Signature.

Sugerir correcção
Comentar