Montenegro diz que Costa tomou as medida de apoio de forma “intencional” e que “enganou” os pensionistas

Em entrevista ao programa Hora da Verdade, do PÚBLICO e da Rádio Renascença, o líder do PSD diz que “esses mil milhões de euros que o executivo se propõe pagar agora [em Outubro], vão deixar de estar no sistema de pensões a partir de 2023".

i-video

O líder do PSD, Luís Montenegro, considera que a medida anunciada pelo Governo sobre pensões significa um “corte de mil milhões de euros no sistema” com consequências “para todos os anos subsequentes”. Em entrevista ao programa Hora da Verdade, do PÚBLICO e Rádio Renascença, que será divulgada integralmente esta quinta-feira, o líder social-democrata revela que a bancada pediu a apreciação parlamentar do decreto em causa para forçar o debate na Assembleia.

“O PS e este Governo optaram por fazer um corte de pensões de mil milhões de euros no sistema de pensões em Portugal”, afirma, considerando que “esses mil milhões de euros que o executivo se propõe pagar agora [em Outubro], vão deixar de estar no sistema de pensões a partir de 2023 com consequências para todos os anos subsequentes.”

Montenegro acusa António Costa de estar consciente do alcance da medida que o Governo tomou. “O primeiro-ministro fez isto de forma intencional, não quero acreditar que não sabia o que estava a fazer, e de forma intencional enganou os pensionistas e os reformados portugueses”, aponta.

Leia a entrevista completa.