Diana Niepce leva-nos a um lugar de limite e violência

Em O Outro Lado da Dança, que esta sexta-feira se estreia em Coimbra integrada na programação do Citemor, a coreógrafa e intérprete leva consigo para o palco as vozes dos invisíveis na história da dança: os corpos fora da norma.

Foto
Paulo Pimenta

Caíste de um arranha-céus. Este não é o teu corpo. Acordaste no corpo de um boneco. Os membros pressionam o chão, queres sair do chão. As pernas são pesadas, os braços são as tuas pernas. As pessoas querem ver coisa bonitas. Sê interessante. Tens de ser mais. Não é suficiente. Finge que consegues fazer esta merda. Finge melhor, não é suficiente. Rasga o ombro. Rasga, até encontrares o equilíbrio. Vais cair.

Sugerir correcção
Comentar