Uma empresa portuguesa criou rações 100% naturais para gatos – e entrega em 24 horas

Os gatos são animais selectivos no que toca ao tipo de ração e João Campaniço sabe-o. Por isso, criou a Purrmi, uma empresa que se dedica à confecção de comida sem aditivos ou conservantes para os felinos. As refeições são entregues em 24 horas – e em Lisboa podem ser encomendadas através da Uber Eats.

Foto
A Purrmi é a primeira empresa na Europa que confecciona comida natural para gatos Piotr Musiol/Unsplash

Escolher a alimentação de um animal de estimação nem sempre é fácil e a dificuldade aumenta quando o assunto são os gatos. Dotados de um paladar selectivo, uns gostam de peixe, outros preferem carne, há ainda aqueles que são alérgicos a cereais e felinos que simplesmente se recusam a comer certas rações, como é o caso de Dux, o gato de João Campaniço, que nunca gostou de comida crua.

O problema parecia não ter fim à vista, até que o gestor de 27 anos decidiu fundar, em conjunto com o irmão Francisco e a médica veterinária Cristina Barroso, a Purrmi, uma startup dedicada à confecção de comida natural para gatos.

“Decidimos procurar alternativas, mas não encontramos nada em Portugal. Nos Estados Unidos existem algumas empresas dedicadas a este tipo de alimentação. Na Europa não encontrámos nada”, começa por explicar ao P3.

A empresa, que nasceu há oito meses, tem rações secas e quatro versões húmidas com receitas pré-cozinhadas disponíveis – duas de peixe e duas de carne – adequadas às preferências e possíveis restrições alimentares de cada gato e, acima de tudo, “sem conservantes nem aditivos”. Frango, peru, coelho, cavala ou o preferido de todos os clientes felinos, uma combinação de sardinha e peru, são os menus disponíveis. O melhor? Quem reside na zona de Lisboa pode encomendar o almoço ou jantar do felino através da aplicação Uber Eats. A entrega é feita em 24 horas. ​

A Purrmi tem quatro receitas pré-cozinhadas para gatos Purrmi
Cada embalagem de 80 gramas custa 1.99 euros Purrmi
A receita de Sardinha e Peru é a favorita dos felinos Purrmi
Os menus não têm conservantes nem aditivos Purrmi
Fotogaleria
Purrmi

Rentabilizar os gostos dos felinos, através do preenchimento de um breve formulário que questiona aspectos como a idade ou o perfil do gato, foi a solução encontrada para quem também tem animais exigentes. “Desenvolvemos um algoritmo que, com base em diferentes factores como o número de gatos, o peso, o perfil de vida ou a idade, calcula a quantidade necessária que o animal precisa de comer por dia e com isso os sugerimos uma box. Essa box pode ser só com a nossa comida ou mista em que a pessoa também pode adicionar outras coisas como areia natural”, revela.

Para além de ajudarem na melhoria da alimentação dos gatos, uma das componentes essenciais da empresa passa por ajudar a alimentar os felinos da associação Animas de Rua e proporcionar-lhes melhores condições. “Queremos dar de volta. Estamos a ajudar os gatos a terem uma melhor alimentação e salvar animais que estão na rua e em condições menos benéficas”, salienta João, acrescentando que a equipa está a planear uma campanha onde, na compra de dois packs dos produtos da Purrmi, um deles será entregue à associação.

Por enquanto, a marca só está presente no mercado português, mas planeia exportar para Espanha já no início do próximo ano – e, com isso, ver o número de clientes e gatos inscritos na plataforma a aumentar. Neste momento são 2900 utilizadores activos e mais de seis mil felinos.

Foto
Cristina Barroso, João Campaniço e Francisco Campaniço Purrmi

Os produtos podem ser encomendados no site e variam entre 1.99 euros, no caso da comida húmida, e 45 euros, se a opção escolhida for a ração seca. Quem quiser ter a certeza de que o gato gosta antes de gastar dinheiro numa compra, pode encontrar amostras no Hospital dos Gatos ou na Clínica do Gato, em Odivelas.

Em breve estarão disponíveis mais duas receitas, incluindo de atum, “uma proteína que os gatos adoram”, explica João. O produto está a ser aperfeiçoado e espera a aprovação do fiel cliente Dux.

Sugerir correcção
Comentar